História

Gileno Bahia, artista plástico, já visitava Embu na década de 60. Conhecia Assis, Ana Moisés, Gama, Raquel Trindade e outros artistas que formaram a cidade de Embu em Arte.

Em 1980, veio morar em Embu de onde nunca mais saiu. Estabeleceu-se no bairro do Jardim Santa Luzia com sua esposa Helena. Neste período, em sua casa localizada na rua Sarah, 927, já começavam os encontros com os vizinhos e, logo depois, com toda a Comunidade.

Reuniam-se para reivindicar calçamento nas ruas, água e luz, escola, posto de saúde e transporte. O bairro era carente e esse era o momento de pensar nas melhorias.

Organizavam-se festas, como Festas Junina, Natal e Carnaval, o que fazia com que a população se tornasse cada vez mais unida.

As mulheres se reuniam para também discutirem os problemas do bairro enquanto faziam trabalhos manuais com materiais conseguidos por doações. Esse grupo se chamava “Clube de mães”. Como as mães traziam os seus filhos para essas reuniões, sentiu-se a necessidade de criar um espaço para suas crianças e, assim, se criou, na garagem da casa de Helena e Gileno Bahia, a Creche Santa Luzia.

Em 06 de agosto de 1983, com a abertura política (pós ditadura), foi fundada a “Associação dos Amigos e Moradores do Bairro Jardim Santa Luzia”, com Gileno Bahia como presidente fundador.

Aos poucos foi-se conseguindo melhorias para o bairro e para as crianças. O então chamado “Núcleo de Vivência” atendia as crianças e adolescentes do bairro e logo se tornou modelo para a cidade. Em meados da década de 80 estabeleceu-se a parceria com a prefeitura municipal de Embu das Arte. Ela passou a bancar os recursos humanos de monitores e cozinheira, além da alimentação dessas crianças atendidas pela Associação Santa Luzia. Para os outros gastos faziam-se festas semanalmente, bingos e sorteios.

Gileno Bahia além de suas atividades artísticas, que chegou a representar Embu das Artes no Japão em 1988, participou intensamente do período de redemocratização no Brasil e, em Embu das Artes, foi líder comunitário, político e ambiental.

E através destas lutas, o bairro conseguiu, em 1986, um terreno por comodato de 99 anos, que deveria ser ocupado o mais breve possível. Formou-se, então, a Horta Comunitária e, em mutirão, foi feito, em pau a pique, um espaço para o “Clube de Mães”.

Com o projeto formado foi a vez de lutar para a construção da Creche Santa Luzia e, com convênio para a obra e principalmente com a garra de toda da comunidade, tendo Gileno Bahia à frente, conseguiu-se levantar o prédio da Associação Santa Luzia.

Depois de Gileno, outros moradores se tornaram presidentes voluntários que, com garra e disposição, dão continuidade ao se trabalho. Porém, Gileno Bahia sempre ajudou a associação em todos os momentos que se era necessário. Conseguindo doações, ajuda jurídica e momentos de lazer para as crianças como: Natal e Passeios na “Aldheia Itacimirim”. Ele, também distribuiu mudas e plantou árvores no terreno da Creche com a Campanha “Plante uma Árvore” de seu “Viveiro Maíra”.

Gileno Bahia faleceu em 1 de setembro de 2012, aos 70 anos, vítima de câncer e foi homenageado pelos membros da diretoria em exercício, pelos amigos e moradores do bairro.

A Associação Santa Luzia continua com o trabalho idealizado por ele  juntamente com as parcerias Municipal, Estadual e Federal. Atualmente conta com 20 colaboradores e atende 100 crianças de 01 a 03 anos na Creche e 33 crianças e adolescentes de 06 a 14 anos no Projeto Socioeducativo.

Veja as fotos –>